Novidades?
Home / Blog / Filosofia / FILOSOFIA PARA CRIANÇAS NA ÁREA EDUCACIONAL

- FILOSOFIA PARA CRIANÇAS NA ÁREA EDUCACIONAL

FILOSOFIA PARA CRIANÇAS NA ÁREA EDUCACIONAL

Antigamente, a visão dos indivíduos não apresentava a preocupação das escolas exercerem poder de formação do cidadão e sim apenas de repassar a seus educandos o conhecimento necessário, cabendo a família o processo de formação do caráter.

No entanto o processo de gestão escolar atual trabalha com um enfoque de atuação onde condições materiais e humanas são necessárias para garantir o avanço na educação tornando os alunos pessoas aptas a enfrentar os desafios da sociedade globalizada.

Assim, as políticas educacionais passaram a se preocupar com a inserção de disciplinas para trabalhar a formação do cidadão, além de trabalhar a passagem do conhecimento. Assim ocorre com a disciplina de filosofia, que nada mais é que a arte de pensar e refletir com o fim primordial de se chegar à verdade. Todas as pessoas algum dia já filosofaram ainda que não sejam filósofos, seja questões da própria vida, existenciais, sociais, éticas e morais e tantas outras questões que estão incutidas no coração do homem.

Segundo as leis impostas pelo Ministério da Educação o estudo da filosofia aparece como disciplina obrigatória apenas nos anos do ensino médio. Este trabalho defende a implementação da filosofia para crianças, uma vez que tenham a oportunidade de desenvolver tal capacidade racional para obtenção de seus próprios valores.

O ensino da Filosofia para crianças no ensino infantil e fundamental acontece de forma facultativa em escola de ensino privado, e em cidades cuja iniciativa insere em sua grade a disciplina, não sendo uma lei de inserção a nível nacional.

Existem até mesmo programas que defendem a pr´tica da filosofia desde a infância como o Programa de Filosofia para Crianças, de Matthew Lipman.

O processo de encarar a realidade futura onde mudanças ocorrem o tempo todo assumindo sua postura perante a situação seja ela política, social ou cultural. A inserção da filosofia no processo educacional infantil permite o treinamento da criança a utilizar seu poder de buscar sua própria razão.

O trabalho de abordar os valores e trabalhar o conhecimento a fim de desenvolver princípios na criança não se trata de uma tarefa fácil e simples e por isso é incentivada a sua aplicação desde os anos iniciais.

A educação escolar não se restringe mais a mera transmissão de conhecimentos básicos. A atividade é centrada na formação do individuo, uma vez que a escola assumiu o processo formados do caráter do cidadão em seu desenvolvimento físico, intelectual e moral.
Este projeto foi elaborado visando explorar a inserção do conhecimento filosófico para crianças. Uma vez que é o responsável pela capacidade de pensar e refletir até o alcance de verdade, podendo através da prática da Filosofia defender e implementar valores éticos e morais para futuros cidadãos. Isso justifica-se pelo fato que as escolas nos dias atais são responsáveis por estruturar o cidadão dando a eles também uma base de preparação como pessoa além dos moldes de conhecimento como Ra praticado anteriormente. Para tanto este estudo foi baseado em pesquisa exploratória bibliográfica.

Gestão educacional



Antigamente, a visão dos indivíduos não apresentava a preocupação das escolas exercerem poder de autodeterminação político-administrativa, ou seja, possuírem autonomia suficiente para estipular melhoras nos sistemas educacionais estabelecidos.

Relacionado com a autonomia das escolas modernas, a Leis de Diretrizes e Bases da Educação não utiliza diretamente a palavra autonomia, no entanto estabelece a liberdade das instituições se organizarem de acordo com seu próprio regimento.

Devido às constantes transformações do mercado de trabalho, exigindo que os profissionais sejam cada vez mais qualificados, a necessidade de professores especializados tornou-se uma preocupação vigente no sistema de ensino brasileiro. O trabalhador precisa estar cada vez mais integrado com os fatores tecnológicos e habilidades comunicativas, sendo que estas atividades são desenvolvidas a partir do ingresso do aluno nas instituições escolares.

Assim, é preciso que as políticas educacionais tenham autonomia suficiente para elevar as competências de seus profissionais para enfrentar uma sociedade totalmente globalizada que exige um sistema de ensino consistente capaz de vencer a precarização do trabalho.

Um projeto político pedagógico é uma das formas mais consistentes de adquirir a autonomia necessária para a melhoria do sistema educacional das escolas, envolvem algumas atividades que precisam do total comprometimento dos profissionais das instituições de ensino para exigirem dos órgãos públicos, melhorias na educação.

A escola serve como base para o desenvolvimento do ser humano, sendo responsável pela formação do mesmo relacionado ao tipo de cidadão que deseja criar. Portanto, é a escola que tem a função de estabelecer as mudanças que necessitam ser realizadas na sociedade, podendo ser planejadas, analisadas e apresentadas através do Projeto Político Pedagógico.

Outros Assuntos
DIREITO DE ALIMENTOS NO NOVO CODIGO CIVIL
51

Direito - DIREITO DE ALIMENTOS NO NOVO CODIGO CIVIL

Direito - Os alimentos existem por princípio legal de solidariedade, em razão do parentesco direto entre alimentante e alimentário.

ACIDENTES DE TRABALHO ENVOLVENDO A EQUIPE DE ENFERMAGEM
46

Enfermagem - ACIDENTES DE TRABALHO ENVOLVENDO A EQUIPE DE ENFERMAGEM

Enfermagem - A evolução tecnológica tem aprimorado as relações do homem com as características do trabalho em diversos segmentos produtivos

A IMPORTÂNCIA DO USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM PARA A PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR
54410

Enfermagem - A IMPORTÂNCIA DO USO DOS EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM PARA A PREVENÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR

Enfermagem - Entre os riscos ocupacionais de Enfermagem se encontram os acidentes de trabalho, a contaminação do ambiente, a contaminação por contato direto, além de riscos causados por fatores químicos, físicos, biológicos, e ergonômicos

A DEFICIÊNCIA AUDITIVA E O DIREITO DE ACESSIBILIDADE
164

Direito - A DEFICIÊNCIA AUDITIVA E O DIREITO DE ACESSIBILIDADE

Direito - Constituição prevê às pessoas com deficiência auditiva, assim como às demais pessoas com deficiência, direitos fundamentais e a garantia da saúde, do bem estar, da integração social.